Brasília: Cenário em que o rock ressurge das cinzas

Por Marcella Matos

Com vinte anos de atraso, finalmente o rock se consagra em terras brasilis, falo da década de 80, pois, se por um lado ainda carregava nas costas o peso de décadas anteriores, já que o rock da década de 70 não andara muito bem das pernas, devido a gêneros musicais como a dance music/discoteca e a MPB que dominara todo o cenário musical da época, e era o que se ouvia constantemente nas rádios e discotecas; por outro já se sentia um ambiente um pouco mais leve, devido a uma maior liberdade política, que acarretaria futuramente no fim da ditadura militar. Inúmeras bandas surgiram nessa época, mais precisamente no finalzinho da década de 70 e o embrião desse fenômeno era Brasília, de lá surgiram bandas que consagraram de vez o rock no Brasil. Mas deixo claro que o cenário rock em Brasília teve início mesmo na década de 60, com bandas como Os Primitivos, Os Reges e Os Infernais, entretanto o cenário só viria a se solidificar na década de 80. 

Esses rapazes de Brasília desfrutavam de uma vida de regalias (eram filhos de professores, desembargadores, diplomatas…), viagens para fora do Brasil eram constantes, e de lá traziam os melhores discos de punk rock da época, que viriam a influenciá-los.  

A turma da colina, como eram conhecidos os jovens que futuramente formariam bandas como Aborto Elétrico, Plebe Rude, Fusão, 5ª Coluna e XXX se encontravam nas colinas (conjunto de prédios habitacionais na UnB) para ouvir, falar e respirar punk rock.

O embrião responsável pelo estouro da cena musical em Brasília e pelo surgimento de bandas como Legião Urbana e Capital Inicial, foi o Aborto Elétrico, que tinha em sua formação inicial Renato Russo (baixo), André Pretorius (guitarra) e Fê Lemos (bateria). Depois do seu primeiro show, a notícia correu entre os jovens de Brasília, e muitos deles formaram bandas, fazendo surgir assim, um cenário musical forte.

Após o término do Aborto Elétrico, surge o Capital Inicial (Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial, já disse que quando jovem imitava Renato Russo. Em entrevista a Revista Rolling Stone, ele disse: “Sabia que ele [Renato Russo] era melhor do que eu e que nunca seria como ele”) e o Legião Urbana (Renato Russo seguiu por um tempo carreira solo, ele se apresentava como “O trovador solitário”). Algumas músicas do aborto Elétrico foram divididas entre as duas bandas, outras foram esquecidas, até o Capital Inicial gravar em 2005 o MTV Especial: Aborto Elétrico, em que interpretam canções inéditas do Aborto Elétrico, como Baader-Meinhof Blues nº1Construção CivilAnúncio de RefrigerantesLove Song OneHeroínaBenzinaSubmissaHelicópteros no CéuDespertar dos Mortos.

 

 

 A Legião, inclusive, comemora esse ano trinta anos de formação, e entre as comemorações, houve um show dia 29/05 e 30/o5, onde o vocal da banda foi entregue ao ator baiano Wagner Moura (vocalista da banda Sua Mãe), que cantou juntamente com Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos, o show transmitido pela MTV, contou com a presença de sete mil pessoas, e segundo Wagner Moura, a noite do show foi a mais emocionante de sua vida. Os três enfatizam que tudo não passa de uma homenagem, e que Renato Russo é insubstituível. De acordo com Wagner Moura: “O rock de Brasília é, sem dúvida nenhuma, um dos maiores acontecimentos da cultura brasileira dos anos 80, e Renato Russo é a expressão maior desse movimento. Assim como o mundo não seria o que é se não fosse Shakespeare, minha geração não seria o que é hoje se não fosse a Legião Urbana”. E seja dito.

Muitas bandas e artistas que fizeram a história do rock nacional saíram de Brasília, sua importância é imensurável para o cenário musical, entre eles, destaca-se Cássia Eller, Paralamas do Sucesso, Raimundos, Móveis Coloniais de Acaju, entre outros; em função disso muito material sobre os jovens de Brasília, em especial sobre o rock de Brasília já foi publicado, como o livro O diário da turma 1976 – 1986: a história do rock de Brasília, escrito por Paulo Marchetti e o documentário Rock Brasília – Era de Ouro, cuja direção está a cargo de Vladimir Carvalho. Vale a pena conferir!

 

 

O rock de Brasília representou o protesto de uma geração, e sem dúvida, seus bons frutos (influência) são notados e ouvidos até hoje, é só ligar o rádio que logo se comprova isso, pois não há um domingo que não toque Legião Urbana, uma notícia de corrupção que não nos faça lembrar e ter a certeza que sua música é atemporal e permanecerá para sempre em nossas memórias. 

LETRA DE FAROESTE CABOCLO:

E lá chegando foi tomar um cafezinho
E encontrou um boiadeiro com quem foi falar
E o boiadeiro tinha uma passagem
Ia perder a viagem mas João foi lhe salvar:
Dizia ele – Estou indo pra Brasília
Nesse país lugar melhor não há
Tô precisando visitar a minha filha
Eu fico aqui e você vai no meu lugar

O João aceitou sua proposta
E num ônibus entrou no Planalto central…


MODO DE VIDA DS JOVENS DE BRASÍLIA:

PRESTE ATENÇÃO NA LETRA DO VÍDEO: O DIA A DIA DA TURMA DA BRASÍLIA

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: