É o amor… As musas que inspiraram grandes canções de rock:

Por Marcella Matos

Por trás de toda expressão artística há sempre uma inspiração, e o amor, claro, é uma delas. Fonte inesgotável de lampejos criativos, da qual bebem artistas das mais variadas vertentes, o amor rompe as barreiras do tempo, cravando suas raízes ao longo da história, afinal de contas, no decorrer dos séculos foram tantas as manifestações que a tiveram como inspiração que, sem dúvida, essa temática prova o quanto é imune às intempéries dos anos: Quer se trate de um poema, uma pintura ou uma canção de rock… Músicas interessantes foram escritas por compositores cujas experiências amorosas, contada nos versos, nos fazem refletir o quão facetado é o amor… Daria uma interessante livro, e foi o que de fato aconteceu: Músicas e Musas, livro de Michael Heatley e Frank Hopkinson, narra a história de cinquenta canções que tiveram musas como inspiração. Como junho é o mês dos namorados, listarei algumas musas eternizadas na história da música.

mona21

 

 MÚSICA:  Sweetest Thing 

 BANDA: U2

MUSA:  Alison Hewson

Datas são realmente fáceis de serem esquecidas, mas quando esta data, em especial, é o aniversário de uma pessoa da qual você tem estima, o deslize é mais delicado… Foi o que aconteceu com Bono Vox, vocalista do U2. Bono esqueceu o aniversário de Alison Hewson, sua esposa, pois  trabalhava duro na gravação do álbum The Joshua Tree.

ali

Para se desculpar pelo acontecido,  Bono escreveu para ela a canção Sweetest Thing, cujo clipe é um (também) criativo pedido de desculpas. O clipe se passa sob a perspectiva de Alison, estando Bono à sua frente se esforçando ao máximo (para ser perdoado)… Paralelamente acontece (na rua, durante o percurso de Alison e Bono) mil e uma inusitadas situações.

 

 

 

MÚSICA: Marcella

BANDA: The Beach Boys

MUSA:  Marcella, a massagista

Nada melhor como uma boa massagem, não é mesmo? Relaxante, revigorante e desfadigante… Brian Wilson, líder e fundador dos Beach Boys, era adepto, até por demais, dessa atividade, gerando um clima de desconfiança na banda, já que regularmente citava um tal salão de massagens, localizado em West Hollywood… Suas visitas ao local tornaram-se cada vez mais frequentes; e uma tal Marcella, massagista no lugar, era assunto recorrente em suas conversas… Sobre a moça, Jack Rieley, um dos integrantes da banda, entrega:

post1

P.S. Não encontramos registro fotográfico da misteriosa Marcella

“A única coisa que eu conseguia pensar para acabar com a fixação de Brian era concentrá-lo em algo. Assim, fui eu quem sugeriu “Marcella” como o título para uma melodia que Brian estava trabalhando. Com a minha promessa de escrever a letra “Marcella”, ele saltou para o projeto com imenso entusiasmo”.

post2

A música, lançada no disco Carl and the Passions – So Tough (1972), de acordo com Brian Wilson foi uma tentativa de homenagear os Rolling Stones.

Brian Wilson é considerado um dos compositores mais criativos do século XX, responsável por popularizar, durante a década de 60, um estilo de vocal bem característico dos Beach Boys. A banda influenciou grandes nomes da música, como os Beatles, por exemplo. O disco Pet Sounds, lançado em 1966, deu início a um marco na história da música contemporânea: Apresentava uma sonoridade mais ousada, já que era composto por instrumentos nada convencionais, dispunha de efeitos sonoros diversos, além dos elaborados arranjos vocais já citados… Enfim, todas essas inovações contribuíram para um som rico e original, bastante singular para a música da época. George Martin, famoso produtor dos Beatles, já disse em entrevista o quão influente Pet Sounds foi para a banda: “Sem Pet Sounds, Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (Disco clássico dos Beatles) não teria acontecido… Pepper’s foi uma tentativa de igualar Pet Sounds”.

cats

 

MÚSICA: “Somenthing” e “Layla”

BANDA: ‘Beatles’ e “Derek and the Dominos (Eric Clapton)”

MUSA: Patti Boyd

  O nome Pattie Boyd pode até passar despercebido… Entretanto não se pode dizer o mesmo das duas canções que lhe foram dedicadas; inesquecíveis obras primas na carreira dos dois amigos músicos. Pode parecer um pouco piegas, mas Pattie Boyd, George Harrisson e Eric Clapton foram protagonistas do triângulo amoroso mais famoso da história da música, já que ambos os guitarristas eram amigos e parceiros musicais de longa data…

catspos1

   Pattie e George se conheceram durante as filmagens do primeiro filme dos Beatles, A Hard Day’s Night (1964). A modelo foi casada com George Harrison por longos dez anos… Que lhe escreveu a canção Something.

Após se separar de Harrison, Patti Boyd assumiu romance com Clapton… Razão que abalou a amizade dos dois. Eric já afirmou em entrevista que sua paixão por Patti foi à primeira vista… Estando George Harrisson ainda casado com ela. De acordo com Patty, as infidelidades do marido, juntamente com os abusos de drogas, contribuíram para a separação do casal. 

cats

Eric Clapton, à frente da banda Derek and the Dominos, lançou o disco  Layla and Other Assorted Love Songs (1970), no qual declarou seu amor por Pattie (ainda casada com Harrison). Sobre Layla, o crítico da Rolling Stone escreveu: ‘Há poucos momentos no repertório das gravações de rock&roll onde um cantor ou compositor foi tão fundo dentro de si mesmo, que o feito de escutar a canção é semelhante a testemunhar um assassinato ou um suicídio. Layla é o maior deles’.

Eric-Clapton-Patti-Boyd

Entrevistada pelo Jornal britânico Dail Maill, Pattie descreve a noite em que Eric Clapton declarou o seu amor:

“[…] Eric Clapton me pediu para ir escutar uma nova música que havia escrito. Ele ligou o gravador, aumentou o volume e tocou para mim a música mais poderosa e tocante que eu já havia escutado. Era “Layla”, sobre um homem que se apaixona perdidamente por uma mulher que o ama, mas não está disponível. Ele tocou para mim duas ou três vezes, olhando meu rosto a todo momento para ver minha reação. […] Meu primeiro pensamento foi: ‘Oh Deus, todo mundo vai saber que é pra mim'[…]”

George-Harrison-Living-in-a-Material-World-36

Eric Clapton e George Harrison

Pattie não cedeu às investidas de Clapton: “Eu me sentia desconfortável por ele estar me empurrando em uma direção que eu não estava certa se queria ir”. De coração partido, Clapton deu início a um exílio musical (regado a muito consumo de drogas) que duraria três longos anos… Ao mesmo tempo a crise no casamento de Pattie e George Harrison adentrava num labirinto sem saída, após o guitarrista traí-la com a esposa de seu parceiro de banda, Ringo Star. Com o término do casamento, Eric e  sua “Layla” assumiram compromisso… Se casaram em 1979, nove anos após o lançamento do disco dedicado à amada. 

cats

“Ao perceber que eu havia inspirado tanta paixão e criatividade, a música tirou o melhor de mim. Eu não pude mais resistir… A mais criativa, talentosa e interessante pessoa que já havia conhecido.” Relata Pattie.

 

 

MÚSICA: All Star

BANDA: Cássia Eller e Nando Reis

MUSA: Cássia Eller

Já diz o velho e sábio ditado popular que amigos são a família que escolhemos… Construir laços de amizades sinceras é importante para se ter uma boa qualidade de vida, afinal de contas estarmos acompanhado por pessoas que nos façam sentir mais leves, e o mais importante, que nos ame pelo que somos, é essencial para alcançarmos um patamar de serenidade só possível com interações dessa simplicidade.

novo

Gravada originalmente  na voz de Nando Reis, All star é sobre a relação de amizade de Nando e Cássia, cuja parceria musical contribuiu para o fortalecimento da amizade dos dois: “Fiz essa música sob o forte impacto do estreitamento de nossa amizade, durante o período que antecedeu ao convite que ela me fez para que trabalhássemos juntos” lembra o cantor em entrevista à folha de São Paulo.

novo2

Cássia Eller usava frequentemente um All Star azul, que ela carinhosamente chamava de tênis “baiaba”… Nando ganhara o dele ainda jovem; um presente de sua mãe, já que o músico vira o vocalista do Jethro Tull, Ian Anderson, no disco Living in the Past, com um All Star preto e de cano alto… O tênis que permanecera guardado por anos foi “desaposentado” por Nando Reis, que usou-o na frente da amiga: “E, assim, o tênis virou uma espécie de símbolo na nossa relação complementar. Foi a partir dessa metáfora que escrevi a música”. Relembra Nando.

No início do vídeo, Cássia fala sobre a origem da música

Cássia morava no décimo segundo andar, em Laranjeiras, bairro do Rio de Janeiro, onde Nando frequentemente a visitava: “Lá passávamos a madrugada conversando, tocando violão. Foi na esteira desses dias que ela me fez o convite para produzir seu disco”. Era o início de uma parceria musical que se estenderia muito além.

m

MÚSICA: See Emily Play

BANDA: Pink Floyd

MUSA: Emily Young

Syd Barrett era um músico à frente de seu tempo, suas ideias inovadoras contribuíram para o que mais tarde seria conhecido por rock psicodélico, expressão artística e gênero musical, cuja liberdade de criação era a “força motriz” para ilimitadas possibilidades em estúdio.

1960s-emily-young-syds-muse

Estando à frente do Pink Floyd, foi o responsável pelas principais ideias da banda, trazendo “conceitos” inovadores. Barrett era um guitarrista muito habilidoso e virtuoso… Foi um dos primeiros músicos a explorar totalmente as capacidades sonoras de distorção.

syd_barrett_by_kalispeira

Enquanto membro da banda, Syd Barrett compunha a maior parte das músicas do Pink Floyd. Dono de uma escrita única, suas canções são ladeadas por um certo mistério…  “See Emily Play” é de sua autoria: Música doce, “lunática” e inocente sobre uma jovem e jogadora Emily… Como compôs num período em que fazia uso constante de drogas, principalmente LSD, cujo excesso viria a comprometer sua saúde física e mental, não se sabia ao certo a veracidade sobre a origem da música… Numa entrevista dada para divulgar a canção, Barrett disse que “See Emily Play” nasceu após o uso do alucinógeno (enquanto repousava num belo jardim), vindo em seguida a adormecer… Uma menina lhe apareceu,  era Emily… Posteriormente ele desmentiu a história, dizendo que a tinha inventado para promover a canção.

De acordo com Saucerful of Secrets: The Pink Floyd Odyssey, primeira  biografia completa da banda, escrita por Nicholas Schaffner, a música foi inspirada em Emily Young, filha de Wayland Hilton Young, nobre inglês, cujas visitas ao clube UFO, local onde o Pink Floyd ia jogar, eram frequentes. Emily constantemente acompanhava o pai nessas visitas ao lugar; foi apelidada de “a estudante psicodélica”. Nos dias atuais Emily leva uma vida simples no Reino Unido, cujo trabalho como escultora é estimado. Indagada sobre a canção, ela diz: “É muito presunçoso para eu dizer… Mas sinto-me honrada, é uma canção maravilhosa. Não me encontrei com ele (Syd Barrett) muito bem.. Apenas o suficiente para dizer um “olá” ou pedir um “cigarro”.

cats

“See Emily Play”, abriu caminho para o sucesso do Pink Floyd, liderado pelo espirituoso e brilhante, Syd Barrett.

Photo-of-Syd-BARRETT-007

MÚSICA: SWEET CHILD O’ MINE

BANDA: GUNS N’ROSES

MUSA: ERIN EVERLY

 Chegar ao topo não é algo fácil. Por mais árduo que seja o caminho, e por mais preparado que o “combatente” esteja: Munido de coragem, esforço, talento, e tantos outros predicados possíveis de se caber numa “armadura”, no final das contas respirar o ar puro das alturas e sentir o gosto da vitória é para poucos… O Guns N’Roses, logo no disco de estreia, Appetite For Destruction (1987), mostrou a que veio: Hard Rock enérgico,  original e sem firulas…. 

erin1

…Sweet Child O’ Mine, primeiro grande sucesso da banda, surgiu ao acaso, sem pretensão de ser materializada, já que Slash dedilhava, o que mais tarde seria, a introdução de Sweet Child O’ Mine, juntamente com Duff Mckagan e Izzy Stradlin que tocavam os acordes por trás. Axl Rose, atento, ouvia tudo do outro cômodo da casa… E, ao mesmo tempo, compunha os versos de Sweet Child O’ Mine, inspirado em sua “Doce Criança”, Erin Everly. 

ERIN APARECE NO CLIPE DE SWEET CHILD O’ MINE

Extravagante como é, claro que Axl Rose não limitaria sua história de amor em apenas um ato… Sua “odisseia amorosa” seria contada numa trilogia de clipes: Don’t Cry, November Rain e Estranged. As letras das músicas foram inspiradas no conto “Without You”, escrito por Del James, amigo de Axl. O conto narra a história do roqueiro Mayne, personagem inspirado na vida de Axl Rose.

Erin-Everly-12

[…] “Para mim, o conto “Without you” ajudou a focalizar o que poderia acontecer em minha vida e, muitas vezes, o que aconteceu. Apesar de Del (amigo e autor do conto) ter se inspirado em situações pelas quais eu estava passando na época, esse foi o jeito que ele encontrou de me ajudar a admitir e enfrentar uma situação dolorosa. Isso, talvez, tenha me impedido de ir longe demais algumas vezes” [..] Desabafa Axl Rose

erin31

Axl, em entrevista (traduzida pelo site Whiplash.net), conta que no vídeo de Don’t Cry há cenas que foram baseadas no seu relacionamento real com Erin Everly: 

“No videoclipe de Don´t Cry há uma cena em que apareço brigando com a Stephanie (Seymour, namorada de Axl na época) portando uma arma. Isso aconteceu de verdade na vida real, comigo e Erin (Everly, ex-esposa de Axl). Eu ia me matar. Nós brigamos pela arma até que eu finalmente deixasse Erin pegá-la de mim. Antes de gravar, eu disse: “Isso parece bem difícil, pois realmente aconteceu. […] Fazer essa cena foi um processo bastante doloroso.”

O tumultuado relacionamento do casal serviu de lampejo criativo para o desenrolar da trilogia, cujas cenas são envoltas em mistério e metáforas, na qual os fãs criaram possíveis teorias que explicam as simbologias presentes nos clipes, como o golfinho presente em Estranged, por exemplo, que significaria o “renascimento espiritual” de Axl,  ou seja,  a superação dos obstáculos presente nos clipes anteriores.  

O conto de fadas dos pombinhos não durou muito… Devido aos excessos cometidos pelo músico, sua infidelidade constante e as turbulentas discussões, Erin e Axl se divorciaram após nove meses de união (Detalhe: Quando tinham apenas um mês de casados, Axl chegou a pedir divórcio de Erin, mas se arrependeu e voltou atrás).

erin21

Parafraseando o Burro (do Shrek): “Casamento de gente famosa não dura…”

Dragão e Burro 21

 PARA QUE O POST NÃO FICASSE EXTREMAMENTE LONGO, RESOLVEMOS DIVIDIR O TEXTO EM DUAS PARTES… EM BREVE MAIS MUSAS QUE INSPIRARAM GRANDES CANÇÕES DE ROCK PARTE 2

 

 

 

 

Lendas do rock: Álbum de infância dos astros

Foram muitos ídolos que nos inspiraram ao longo de nossas vidas (e em diferentes fases); queríamos ser e viver como eles, não negue! E nem imaginamos o quanto eles possuem em comum conosco, pobres mortais, afinal de contas também já foram crianças, adolescentes… 

Layne Staley:

Lembro quando ouvi Alice in Chains pela primeira vez num especial da MTV, Wold? não saía da minha cabeça, quer dizer a voz de Layne não saía de minha cabeça. A partir daí as músicas do Alice in Chains me fisgaram de um jeito… 

Layne Staley

 

Quando criança, Layne passou pela mesma situação que muitas outras: Uma traumática separação dos pais, Phil Staley e Nancy McCallum. Indo morar posteriormente com sua mãe, perde contato com seu pai. Layne sentia muita falta dele, e algumas de suas letras refletiam bem isso. Achava que sua banda, caso fizesse sucesso, traria seu pai de volta. Ele o reencontrou e teve uma desagradável surpresa ao descobrir que seu pai, como ele, era viciado em heroína. Esse foi um dos motivos de sua forte depressão, que acarretaria anos depois à sua morte por overdose.

Tocava bateria aos 12 anos, porém, dono de uma voz forte e notável presença de palco, sua grande paixão era mesmo cantar. Sua primeira banda, na qual era vocalista, chamava-se Sleze.

Nos tempos de escola era muito tímido, sendo alvo de brincadeiras por isso. Conheceu Jerry Cantrell no ano de 1987, e viria a formar com ele, juntamente com  Mike Starr Sean Kinney, o Alice in Chains, anteriormente chamado Diamond Lie.

Layne, como todo ser humano, tinha suas fraquezas, e uma delas era a forte dependência em heroína (que muitas vezes tentou largar, sem sucesso). Muitas de suas letras refletiam essa tempestade de sentimentos que o afligiam constantemente.  Visivelmente debilitado, Layne aos poucos foi se afastando de tudo e de todos a sua volta.

Sua depressão e consumo de drogas foi agravada após a morte de sua namorada Demri Parrot. Layne veio a falecer no dia 5 de abril de 2002 (Kurt Cobain tinha falecido 8 anos antes na mesma data), seu corpo, porém, só viria a ser encontrado 15 dias depois, no seu apartamento, já em início de decomposição.

Que Layne influenciou muita gente não é novidade alguma, e nesta longa lista inclui-se até o Metallica. Death Magnetic, título do álbum do Metallica, teve como inspiração Layne Staley.

Além do Alice in Chains, Layne foi vocalista do Mad Season e do Class Of ’99.

Segundo a revista Paste, duas músicas inéditas de Layne Staley estarão na trilha sonora do filme Grassroots. O filme estreou no mês de junho nos Estados Unidos, porém, não tem previsão de estreia no Brasil. 

  

Angus Young:

Mestre em compor riffs, e com uma energia (desde sempre) de dar inveja a qualquer jovem guitarrista, Angus está sem dúvida entre os melhores guitarristas de todos os tempos. E, olha que dos tempos de infância para cá Angus Young não mudou nada, veja você mesmo:

Angus Young

Desde pequeno era viciado em música, influência de seus irmãos mais velhos que queriam muito formar uma banda (Principalmente seu irmão George, que tocaria guitarra na banda The Easybeats). 

Precoce, começou a tocar violão aos sete anos de idade; seu vizinho tinha um, e a cada visita em sua casa tocava o instrumento. Quando ganhou sua Gibson SG não desgrudava do instrumento em momento algum, era sua melhor amiga.

Antes do AC/DC foi guitarrista da banda Tantrum (Anteriormente se chamava Kantuckee).

Fiel ao seu uniforme escolar (é até engraçado, pois largou a escola aos 15 anos), reza a lenda que Angus não tinha tempo de trocar de roupa antes das apresentações.

Sua famosa dancinha teve como forte inspiração Chuck Berry.

 

Slash:

Esse apelido foi dado por um amigo da família, já que Slash andava sempre com pressa.

Depois que seus pais se separaram, Slash tornou-se um tanto rebelde, fato que o levou a morar com sua avó. 

Slash é filho de artistas, seu pai fez capas de discos para grandes cantores, um deles Neil Young, e sua mãe, designer de roupas, tinha David Bowie como cliente.

 A guitarra não foi seu primeiro instrumento; ao formar (teoricamente) sua primeira banda, com seu amigo Steven Adler, decidiu que tocaria baixo, e se matriculou numa escola; entretanto, se apaixonou pela guitarra (Para nossa sorte) assim que ouviu Brown Sugar, dos Rolling Stones (fora as músicas que eram tocadas pelo professor, cuja lista incluía Cream e Led Zeppelin). Slash praticava até doze horas por dia.

Dentre suas marcas registradas: Seus longos cabelos cobrindo o rosto e um cigarrinho no canto da boca enquanto toca, influência esta, herdada do blues (assim como seus famosos solos).

Sua primeira banda (na prática) foi Tidus Sloan; logo em seguida viria Road Crew (Em homenagem ao Motörhead que possui uma música chamada (We Are) The Road Crew. Antes do Guns N´Roses, Slash Passou pela Hollywood Rose (Na qual tinha Axl Rose como vocalista) e pela Black Sheep.

Após sua saída do Guns N´Roses, em 1996, Slash se envolveu em muitos projetos, dentre eles, o Slash’s Snakepit (formado em 1994, antes de sua saída oficial do Guns), Slash’s Blues Ball (Banda de blues rock), Velvet Revolver (Que tinha nos vocais, Scott Weiland, ex-vocalista do Stone Temple Pilots, e que oficialmente não acabou mesmo após a saída de Scott).

Slash já tocou com muitos artistas de diferentes gêneros musicais, como Michael Jackson; ele tocou guitarra nas músicas Give in to MeBlack or White.

 

Recentemente segue em carreira solo.

 

Iggy Pop:

Sabe aquele mergulho que roqueiros pulam numa plateia eufórica (também conhecido como Stage dive)? Foi ninguém menos que Iggy Pop que o popularizou. Mas, parece fato que o male da timidez afligia boa parte dos roqueiros, e por incrível que pareça, com Iggy Pop não seria diferente.

Sua primeira banda chamava-se The iguanas (daí surgiu seu apelido); era uma banda de escola, e Iggy tocava bateria.

Outra banda que entra em seu currículo é o The Prime Movers (banda de blues), na qual também tocava bateria.

Mas seu grande feito foi estando à frente dos The Stooges. Iggy teve como grande inspiração o The Doors, principalmente as performances nada convencionais de Jim Morrison. 

Sobre a origem do nome da banda, reza a lenda que Iggy pediu permissão para Moe Howard (ele era um dos três patetas, grupo americano de comédia chamado Three Stooges) para usarem tal nome; a resposta foi mais ou menos a seguinte: “Eu não me importo o que chamem a si mesmos, contanto que não sejam os Três Patetas”.

Após sua saída dos Stooges (Por seus problemas com as drogas), David Bowie  ajudou em sua carreira solo, e anos 80 quando a careira de Iggy Pop não andava muito bem das pernas,  Bowie regravou algumas composições que haviam escrito juntos, como China Girl, Tonight e Neighborhood Threat. Em função desse auxílio financeiro, já que escreveram a canção juntos, Iggy Pop tirou umas férias de três anos, na qual se livrou do vício das drogas.

Os Stooges reuniram-se novamente em 2003, e finalmente, em 2010, entraram para o Rock and Roll Hall da Fame (até Madonna fez uma campanha). 

 

John Lennon:

John Lennon teve uma infância um pouco conturbada, já que fora abandonado por sua mãe (nada menos que duas vezes) aos cuidados de sua tia. Foi sua tia, Mimi, quem presenteou John com sua primeira guitarra, entretanto,  foi sua mãe, Júlia, que lhe ensinou os primeiros acordes com instrumentos mais fáceis (banjo e ukelele). Júlia morreria anos depois atropelada por um policial bêbado quando visitava John em sua escola. 

 

Uma história dos tempos de escola de John Lennon, nas suas próprias palavras: “Quando eu tinha 5 anos, minha mãe sempre me disse que a felicidade era a chave para a vida. Quando eu fui para a escola, me perguntaram o que eu queria ser quando crescesse. Eu escrevi ‘feliz’. Eles me disseram que eu não entendi a pergunta, e eu lhes disse que eles não entendiam a vida”.  

John fundou a banda The Quarrymen (que se chamou The Black Jacks por uma semana), que futuramente daria origem aos Beatles, na Quarry Bank Grammar School. Após ver a banda se apresentar, Paul McCartney mostrou a John seus dotes musicais, e  a partir daí foi convidado para entrar na banda (John tinha achado Paul um excelente músico, tendo ficado, no início, com um pouco de medo de perder espaço na banda). A banda se chamou The Beetles (em homenagem a banda do Buddy Holly, The Crickets) antes de mudar o nome definitivamente para The Beatles. 

Antes do fim dos Beatles, John formara a banda Plastic Ono Band, que contou com ilustres integrantes, entre eles, Eric Clapton, Keith Moon, Ringo Starr, George Harrisson…

Lennon foi assassinado no ano de 1980, em Nova York, quando deixava o estúdio de gravação

 

Kurt Cobain:

Ele foi nomeado como porta voz de sua geração, título que não gostou, por sinal. A fama excessiva o incomodava demais.

Sua infância foi tranquila, e Kurt era uma criança feliz; seus desenhos (de personagens como Pato Donald, Mickey, Aquaman, o monstro do lago negro…) eram espalhados por seu quarto.

Sua família tinha contato com  música, sua tia, por exemplo, tocava guitarra. Kurt iniciou-se precocemente na música, aos dois anos já brincava com um violão e aos quatro anos já cantava, compunha e tocava piano. Seus artistas prediletos e as canções que não saíam de sua boca, quando criança, eram Ramones, ABBA, Motorcycle Song de Arlo GuthrieHey Jude dos The Beatles, o tema principal da série musical de tv The Monkees, Seasons in the Sun de Terry Jacks (Cuja versão feita pelo Nirvana você confere agora).

 

 

Kurt com sua gata Spina Bifida

Mas, como nem tudo são flores… Após a separação de seus pais, Kurt mudou, tornou-se mais solitário. Sua mãe se envolveu com um parceiro violento, fato que o incomodava. Sua rebeldia só aumentava, o que fez seu pai lhe entregar à cuidados de diferentes amigos e familiares.

Aos quatorze anos ganhou sua primeira guitarra, presente de seu tio, e nas palavras de Kurt: “Foi Amor à Primeira Vista”.

Religião era um assunto que interessava Cobain (tinha morado com um amigo cuja família era cristã; a música Lithium foi sobre esta experiência), o jainismo e o Budismo, em especial (do qual retiraria o nome de sua futura banda, Nirvana). Nas palavras de Kurt, o Nirvana seria: “Ausência de Dor, do Sofrimento do Mundo Exterior: É Tão Perto de Minha Definição de Punk Rock”. E definiria seu som: “De um modo geral, nós soamos como o Knack e os Bay City Rollers, molestados pelo Black Flag e Black Sabbat”. 

Kurt Cobain antes de desenvolver um problema forte de estômago comia sozinho uma pizza inteira.

Kurt Cobain com sua bebida preferida: Leite com morango

Kurt sabia cozinhar! Fazia um peixe que todos gostavam

Conheceu Krist Novoselic em 1985, pois Kurt era amigo de Robert Novoselic, seu irmão, até escutar Krist tocando rock and roll em seu quarto. A partir daí tornaram-se melhores amigos. 

A primeira banda de Kurt foi o Stiff Woodies, na qual tocava bateria e Krist baixo.  Com o Nirvana já formado, tendo Kurt na guitarra,  Dave Grohl só entraria na banda em 1990. 

Kurt inspirou-se em sua vida para compor as letras de suas músicas. Aneurysm fala de como se sentia ao namorar Tobi Vail. About a Girl foi inscrito para outra namorada sua, Tracy Marander. Something in the Way foi escrita na época em que Kurt não tinha um lar fixo, pois tinha sido expulso da casa de sua mãe por ter largado a escola (sua mãe lhe disse: “Trabalha ou sai”, um tempo depois suas coisas já estavam numa caixa). Smells Like Teen Spirit, o maior sucesso do Nirvana, teve como inspiração a frase “Kurt Smells Like Teen Spirit”, escrita na parede de seu apartamento por Kathleen Hanna, namorada de Dave Grohl na época, que achava que Kurt cheirava ao desodorante de Tobi Vail, Teen Spirit. Kurt achava que aquela frase tinha um espírito revolucionário.

Kurt Cobain aos dois anos de idade

Kurt foi encontrado morto em sua casa no dia 8 de abril de 1994, porém tinha se matado no dia 5 de abril com um tiro na cabeça. Junto ao seu corpo foi encontrado uma carta de despedida. O mundo perdia um dos maiores roqueiros da face da terra. 

Carta encontrada ao lado do corpo de Kurt Cobain

 

“Eles riem de mim porque sou diferente, eu rio deles Porque são todos iguais”. Kurt Cobain.

 

AGUARDE  MAIS LENDAS DO ROCK: ÁLBUM DE INFÂNCIA DOS ASTROS PARTE 2

%d blogueiros gostam disto: