Mulheres no rock (segunda parte): Especial dia internacional da mulher

Não é mentira para ninguém que o cenário do rock sempre foi dominado pelo sexo masculino, no entanto há sim! inúmeras mulheres no mundo do rock, que dão um show entre os diversos gêneros e subgêneros do estilo, dando um quê a mais nas respectivas bandas da qual fazem parte. Fazer uma lista é sempre muito difícil, pois cada artista deu sua contribuição para o estilo que canta/toca, então variamos os estilos e as décadas para (tentar) representar cada geração de artistas.

PARA CONFERIR A PARTE 1 (QUE POR SINAL FOI UMA DAS PRIMEIRAS POSTAGENS DO BLOG!) CLIQUE AQUI

mural

Nina Hagen, Garbage, Brody Dalle,PJ Harvey, Lita Ford, Karen O, June Carter, The Donnas e Hole

Doro:

Os anos 80 foi marcado pela presença de grandes nomes do rock, avalanches de hinos, exageros,excessos… Tudo isso foi eternizado na memória e na história da música, pois há bandas e artistas que ultrapassam a barreira do tempo e dos mais diversos modismos, sendo Doro um exemplo forte (e feminino!) disso.

doro

Sua carreira decolou ao ingressar como Vocalista da banda Warlock, grande sucesso na década de 80, e com um  grande diferencial, pois enquanto as outras bandas tinham “frontmans”, o Warlock dava o ar da graça com Doro Pesch à sua frente; Atualmente Doro está em carreira solo, e não perde em nada para artistas masculinos do gênero, estando ela, incluída entre os clássicos da época, e ainda por cima  já teve a honra de dividir os vocais com Lemmy Kilmister (Motörhead).

Kim Gordon:

Presença feminina no Sonic Youth,  Kim e sua banda  marcou e alimentou a cena Grunge dos anos 90. A importância da cena grunge para a sonoridade que o rock adotaria a partir de então é imensurável. 

kim

Kim Gordon carrega em seu “currículo” outras múltiplas atividades, que incluem produção musical (do primeiro disco do Hole), pintura (ela é formada pela faculdade Otis of Art & Design, Los Angeles), atuação, curadora de exposições, entre outras ocupações.

Infelizmente a banda deu fim às suas atividades em 2011, após Kim e Thurston Moore (vocais e guitarra) se separarem.

Tarja Turunen:

Dona de uma timbre inconfundível e de grande alcance vocal, Tarja foi vocalista do Nightwish até o ano de 2005, deste então segue carreira solo. 

tara

Simone Simons, vocalista do EPICA, banda de mesmo gênero do Nightwish, se interessou por canto lírico ao escutar o terceiro  disco do Nightwish, Oceanborn (1998).

simone

Tarja Turunen é muito querida pelos fãs de Heavy Metal, tendo participado da gravação do DVD Angels Cry – 20th Anniversary Tour, do Angra. A cantora lançou atualmente seu quarto disco solo intitulado Colours In The Dark.

Angela Gossow:

Quem disse que mulheres não conseguem ou podem cantar um vocal gutural? Angela Gossow é um exemplo real e feminino disso! O Arch Enemy é figurinha carimbada nos principais festivais de heavy metal ao redor do mundo, angariando cada vez mais fãs.

220px-AngelaGossowWOA2006

Angela, antes de entrar na banda, ao entrevistar o guitarrista da banda, Michael Amott, mostrou a ele um vídeo seu; tempos depois o então vocalista do Arch Enemy, Johan Liiva, saiu da banda, e Angela foi convidada para um teste… O resto é história.

 

Cassia Eller:

Grande exemplo de vocal brasileiro e feminino, Cassia Eller era dona de uma personalidade bem pessoal; possuía uma voz autêntica que dava em cada canção/interpretação sua  identidade, independente do  gênero musical.

Cássia-Eller-534x336

Cassia viveu intensamente  e desfrutou de suas habilidades musicais, eclética, divagando por muitos estilos musicais, sem perder sua essência. Nos deixou precocemente aos 39 anos no auge de sua carreira.

Kim Deal:

O Pixies foi uma grande influência para o Nirvana (com seus versos suaves, refrão pesado), tendo Kurt Cobain comentado em uma entrevista: “Estou conectado com a banda (Pixies) tão fortemente que eu deveria estar nela”.

kim deal

Baixista do Pixies, Kim Deal marcou seu nome no patamar de grandes influências da música. Kim tem uma banda com sua irmã, Kelley, o The Breeders.

Lzzy Hale:

Vocalista e um dos fundadores da banda Halestorm, em atividade deste o ano de 1997, Lzzy começou na banda aos 13 anos!

lzzy

Apesar de nova, a banda  já coleciona algumas vitórias, como o prêmio de melhor performance (Grammy) com a música Love Bites. A banda já lançou ao todo três discos.

Pat Benatar:

Dona de grandes hinos do rock, como Hit Me With Your Best ShotHeartbreaker… Pat Benatar fez um extremo sucesso na década de 80, juntamente com outros grandes nomes da época. 

pat_benetar

Patti Smith:

Na lista de grandes personalidades do rock feminino uma representante do punk não poderia ficar de fora, e ninguém melhor do que Patti Smith para preenchê-la, por sua grande influência gerada no rock a partir de então.

patti smith

Patti Smith é uma artista de gosto apurado para as várias vertentes da arte, da musica à poesia, sua arte é intelectual e atemporal, dando ao rock uma representante de peso. Muitos artistas, como Bono Vox, por exemplo, colocam seu primeiro disco, Horses, como de extrema importância para a carreira musical.

Amy Lee:

Muita gente torce o nariz para Amy (injustamente), no entanto não podemos tirar sua importância para o cenário da música:

Primeiro: Por ser a cabeça e a líder de uma grande banda de sucesso (feito alcançado por poucos)

amy

Segundo: Por influenciar (diria até salvar) tantas garotas, em uma sociedade na qual as rádios só tocam Rihanna, Lady Gaga (e outras tantas artistas que querem ser diferentes, mas que no fundo são todas iguais). Afinal de contas, artistas como Amy são muito importantes,  pois dificilmente as pessoas (quando pré-adolescente) se iniciam no rock escutando algo pesado, pois tudo é um processo contínuo, você vai amadurecendo e o seu gosto  musical também…

Terceiro: Talento a moça tem, e ninguém pode negar. Ela canta, toca piano, escreve suas próprias canções…

 Siouxsie Sioux:

Representante do movimento pós-punk britânico, Siouxsie & the Banshees é muito lembrado por suas canções,claro, mas também pela sua vocalista excêntrica,  Siouxsie Sioux, e sua marca registrada: Os olhos bem pintados, que viriam a influenciar a estética gótica. ícone, Siouxsie influenciou “n” artistas ao longo de toda sua carreira, tanto em quesito de estilo, como musicalmente.

Siouxsie-with-red-feathers-siouxsie-and-the-banshees-3376515-448-527

Siouxsie aparece, juntamente com o Sex Pistols, no programa do Bill Grundy, em 1976, quando ocorre a fatídica cena clássica: Uma série de xingamentos ao apresentador… 

Atualmente, Siouxsie canta em carreira solo, e esporadicamente lança discos e sai em turnê com sua banda The Creatures.

 

OUTRAS GRANDES NOMES DO ROCK:

capa

Sabina Classen, Floor jansen, Sharon den Adel e Cristina Scabbia

Anúncios

Dia dos namorados: Os casais e ex-casais do mundo do rock

Por Marcella Matos

O dia dos namorados está chegando e a Taverna do rock presta uma humilde homenagem a data, mostrando alguns casais famosos do mundo do rock. Por trás da cara e da pose de mal do roqueiro, acredite, há um enorme coração, e uma inteligência de admirar, seja pela proeza de transformar angústias, protestos, lamentações, sofrimento… E claro,  também  o amor, em música.

 

Jack e Meg White:

Muito se especulava sobre o duo White Stripes: “Serão Meg e Jack White casados ou irmãos?” O próprio Jack confundia a cabeça dos fãs, já que em shows chamava Meg White de Irmã. De acordo com Jack, eles esconderam que eram casados, pois “queria que as pessoas se ligassem mais na música do que no relacionamento dos integrantes”. Eles foram casados durante quatro anos (entre 1996 e 2000) e o sobrenome White, está na certidão de Meg, mas como foram casados…

O engraçado é que foi uma jornalista que descobriu, no ano de 2003, que os dois já tinham sido casados.

Jack White acaba de lançar um disco solo, intitulado Blunderbuss, no qual ele flerta o rock com diversos gêneros musicais, mas o álbum tem uma faixa em especial, Hip (Eponimous) Poor Boy, e segundo a revista Rolling Stone, a letra trata de ninguém menos  do que Meg White, preste atenção na letra: “let the stripes unfurl”(deixe os stripes se dissolver), e em outra estrofe: “and I’ll  using your name”(e usarei o seu nome); perguntado sobre a letra, Jack responde que não foi escrita para sua ex-companheira de palco, e sim para os músicos (Hip) que vendem autenticidade e realidade, mas que tiram proveito disso.

 

Indagado sobre uma possível volta do White Stripes, ele responde à Rolling Stone: “Duvido muito que o White Stripes faça um show novamente. Talvez fosse um exercício de nostalgia e não acredito que isso venha acontecer”. Eles se conheceram num restaurante de Detroit, no qual Meg trabalhava como garçonete. 

Courtney Love e Kurt Cobain:

Courtney Love é vocalista e guitarrista da banda Hole, foi considerada pela Revista Rolling Stone como a mulher mais polêmica do mundo do rock. Love já foi vocalista, por curto período, do Faith no More, lançou em 1991 o primeiro álbum, Pretty on the Inside, como vocalista do Hole, logo depois começou um relacionamento com Kurt Cobain, líder do Nirvana. Casou-se com ele, grávida de seu primeira filha, Francis, em 24 de fevereiro de 1992, em Honolulu, Havaí.

Não tem como falar do casal sem citar as muitas especulações que correm, principalmente entre os fãs, sobre a suspeita relação de Courtney com a morte de Cobain, que teria planejado o assassinato depois de Kurt pedir o divórcio (e consequentemente a tiraria do testamento).   Como digo, são somente teorias e suposições, que foram geradas diante de evidências que supostamente mostravam que a cena do crime foi alterada, que a quantidade de heroína consumida pelo cantor o teria deixado incapacitado de puxar o gatilho, que a arma usada no suicídio não tinha impressões digitais… Entre muitas outras. Mas, enfim, são apenas histórias… Foi produzido o documentário Kurt & Courtney, de 1998, inspirado no livro Who Killed Kurt?(cujo autor foi o próprio pai de Courtney Love), que analisava o relacionamento do casal e as suspeitas sobre o envolvimento de Love na morte de Kurt. 

No programa/documentário Behind The Music, Courtney desabafa: “É muito difícil aguentar quando todo mundo está apontando para você e te julgando, e foi exatamente isso que aconteceu quando ele morreu, a morte dele não foi minha culpa. Isso realmente ofendeu meus sentimentos, foi horrível. Eu precisei de muito tempo pra me readaptar e esse processo foi traumatizante. Eu não pedi para ser odiada”.

Courtney Love já disse em entrevista que até hoje dorme com os pijamas de Kurt, e que sua ligação com ele é forte demais. Muitas músicas cantadas por Courtney falam sobre Kurt ou da sua relação com ele, como Doll Parts, Playing Your Song, Mono, Pacific Coast Highway e outras.

 

MÚSICA INÉDITA CANTADA POR KURT COBAIN E COURTNEY LOVE

 

Shaun Morgan e Amy Lee

Ao longo de 2004 uma música não parava de tocar nas tardes da MTV, e que inclusive fez parte da trilha sonora do filme O Justiceiro, era Broken, música do disco Disclaimer II (Seether), composta e interpretada por Amy Lee e Seether. 

 

Sobre o cenário do clipe de Broken, Morgan disse: “Nós simplesmente caminhamos numa devastação. Tinha muita história. Nos sentimos um pouco mal estando lá, porque tinham alguns brinquedos de crianças jogados por ali; tinha definitivamente uma família ali. Parecia que o lugar foi isolado bem rápido. Ainda havia cartas de baralho na mesa de um trailer. Pareceu como se algo tivesse acontecido enquanto as pessoas estavam ainda lá. Nós não sabemos se alguém morreu, ou quantas pessoas morreram. Todos nós sentimos uma má energia do lugar, mas foi bom estar lá porque meio que combina com a música em algum ponto.” 

Amy e Shaun Morgan, vocalista do Seether, namoraram por dois anos, de 2003 a 2005, e o relacionamento terminou devido aos problemas de Morgan com o álcool; Amy, no disco The Open Door, de 2006, compôs para ele Call Me When You’re Sober; Morgan, em entrevista na época, disse que se sentiu traído pela ex-companheira, e que os dois tiveram um bom relacionamento. 

 

As palavras de Amy sobre a música: “É bem óbvio sobre quem é. Eu sei que as pessoas vão ler através das linhas e perceber que é sobre o meu ex-namorado Shaun Morgan, mas eu quis ser completamente franca […].” O relacionamento acabou, mas de certa forma foi eternizado pela música, principalmente para os fãs; eis o poder da música. 

BROKEN  LIVE

 

AGUARDE AINDA TEM MAIS…



%d blogueiros gostam disto: