É o amor… As musas que inspiraram grandes canções de rock:

Por Marcella Matos

Por trás de toda expressão artística há sempre uma inspiração, e o amor, claro, é uma delas. Fonte inesgotável de lampejos criativos, da qual bebem artistas das mais variadas vertentes, o amor rompe as barreiras do tempo, cravando suas raízes ao longo da história, afinal de contas, no decorrer dos séculos foram tantas as manifestações que a tiveram como inspiração que, sem dúvida, essa temática prova o quanto é imune às intempéries dos anos: Quer se trate de um poema, uma pintura ou uma canção de rock… Músicas interessantes foram escritas por compositores cujas experiências amorosas, contada nos versos, nos fazem refletir o quão facetado é o amor… Daria uma interessante livro, e foi o que de fato aconteceu: Músicas e Musas, livro de Michael Heatley e Frank Hopkinson, narra a história de cinquenta canções que tiveram musas como inspiração. Como junho é o mês dos namorados, listarei algumas musas eternizadas na história da música.

mona21

 

 MÚSICA:  Sweetest Thing 

 BANDA: U2

MUSA:  Alison Hewson

Datas são realmente fáceis de serem esquecidas, mas quando esta data, em especial, é o aniversário de uma pessoa da qual você tem estima, o deslize é mais delicado… Foi o que aconteceu com Bono Vox, vocalista do U2. Bono esqueceu o aniversário de Alison Hewson, sua esposa, pois  trabalhava duro na gravação do álbum The Joshua Tree.

ali

Para se desculpar pelo acontecido,  Bono escreveu para ela a canção Sweetest Thing, cujo clipe é um (também) criativo pedido de desculpas. O clipe se passa sob a perspectiva de Alison, estando Bono à sua frente se esforçando ao máximo (para ser perdoado)… Paralelamente acontece (na rua, durante o percurso de Alison e Bono) mil e uma inusitadas situações.

 

 

 

MÚSICA: Marcella

BANDA: The Beach Boys

MUSA:  Marcella, a massagista

Nada melhor como uma boa massagem, não é mesmo? Relaxante, revigorante e desfadigante… Brian Wilson, líder e fundador dos Beach Boys, era adepto, até por demais, dessa atividade, gerando um clima de desconfiança na banda, já que regularmente citava um tal salão de massagens, localizado em West Hollywood… Suas visitas ao local tornaram-se cada vez mais frequentes; e uma tal Marcella, massagista no lugar, era assunto recorrente em suas conversas… Sobre a moça, Jack Rieley, um dos integrantes da banda, entrega:

post1

P.S. Não encontramos registro fotográfico da misteriosa Marcella

“A única coisa que eu conseguia pensar para acabar com a fixação de Brian era concentrá-lo em algo. Assim, fui eu quem sugeriu “Marcella” como o título para uma melodia que Brian estava trabalhando. Com a minha promessa de escrever a letra “Marcella”, ele saltou para o projeto com imenso entusiasmo”.

post2

A música, lançada no disco Carl and the Passions – So Tough (1972), de acordo com Brian Wilson foi uma tentativa de homenagear os Rolling Stones.

Brian Wilson é considerado um dos compositores mais criativos do século XX, responsável por popularizar, durante a década de 60, um estilo de vocal bem característico dos Beach Boys. A banda influenciou grandes nomes da música, como os Beatles, por exemplo. O disco Pet Sounds, lançado em 1966, deu início a um marco na história da música contemporânea: Apresentava uma sonoridade mais ousada, já que era composto por instrumentos nada convencionais, dispunha de efeitos sonoros diversos, além dos elaborados arranjos vocais já citados… Enfim, todas essas inovações contribuíram para um som rico e original, bastante singular para a música da época. George Martin, famoso produtor dos Beatles, já disse em entrevista o quão influente Pet Sounds foi para a banda: “Sem Pet Sounds, Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (Disco clássico dos Beatles) não teria acontecido… Pepper’s foi uma tentativa de igualar Pet Sounds”.

cats

 

MÚSICA: “Somenthing” e “Layla”

BANDA: ‘Beatles’ e “Derek and the Dominos (Eric Clapton)”

MUSA: Patti Boyd

  O nome Pattie Boyd pode até passar despercebido… Entretanto não se pode dizer o mesmo das duas canções que lhe foram dedicadas; inesquecíveis obras primas na carreira dos dois amigos músicos. Pode parecer um pouco piegas, mas Pattie Boyd, George Harrisson e Eric Clapton foram protagonistas do triângulo amoroso mais famoso da história da música, já que ambos os guitarristas eram amigos e parceiros musicais de longa data…

catspos1

   Pattie e George se conheceram durante as filmagens do primeiro filme dos Beatles, A Hard Day’s Night (1964). A modelo foi casada com George Harrison por longos dez anos… Que lhe escreveu a canção Something.

Após se separar de Harrison, Patti Boyd assumiu romance com Clapton… Razão que abalou a amizade dos dois. Eric já afirmou em entrevista que sua paixão por Patti foi à primeira vista… Estando George Harrisson ainda casado com ela. De acordo com Patty, as infidelidades do marido, juntamente com os abusos de drogas, contribuíram para a separação do casal. 

cats

Eric Clapton, à frente da banda Derek and the Dominos, lançou o disco  Layla and Other Assorted Love Songs (1970), no qual declarou seu amor por Pattie (ainda casada com Harrison). Sobre Layla, o crítico da Rolling Stone escreveu: ‘Há poucos momentos no repertório das gravações de rock&roll onde um cantor ou compositor foi tão fundo dentro de si mesmo, que o feito de escutar a canção é semelhante a testemunhar um assassinato ou um suicídio. Layla é o maior deles’.

Eric-Clapton-Patti-Boyd

Entrevistada pelo Jornal britânico Dail Maill, Pattie descreve a noite em que Eric Clapton declarou o seu amor:

“[…] Eric Clapton me pediu para ir escutar uma nova música que havia escrito. Ele ligou o gravador, aumentou o volume e tocou para mim a música mais poderosa e tocante que eu já havia escutado. Era “Layla”, sobre um homem que se apaixona perdidamente por uma mulher que o ama, mas não está disponível. Ele tocou para mim duas ou três vezes, olhando meu rosto a todo momento para ver minha reação. […] Meu primeiro pensamento foi: ‘Oh Deus, todo mundo vai saber que é pra mim'[…]”

George-Harrison-Living-in-a-Material-World-36

Eric Clapton e George Harrison

Pattie não cedeu às investidas de Clapton: “Eu me sentia desconfortável por ele estar me empurrando em uma direção que eu não estava certa se queria ir”. De coração partido, Clapton deu início a um exílio musical (regado a muito consumo de drogas) que duraria três longos anos… Ao mesmo tempo a crise no casamento de Pattie e George Harrison adentrava num labirinto sem saída, após o guitarrista traí-la com a esposa de seu parceiro de banda, Ringo Star. Com o término do casamento, Eric e  sua “Layla” assumiram compromisso… Se casaram em 1979, nove anos após o lançamento do disco dedicado à amada. 

cats

“Ao perceber que eu havia inspirado tanta paixão e criatividade, a música tirou o melhor de mim. Eu não pude mais resistir… A mais criativa, talentosa e interessante pessoa que já havia conhecido.” Relata Pattie.

 

 

MÚSICA: All Star

BANDA: Cássia Eller e Nando Reis

MUSA: Cássia Eller

Já diz o velho e sábio ditado popular que amigos são a família que escolhemos… Construir laços de amizades sinceras é importante para se ter uma boa qualidade de vida, afinal de contas estarmos acompanhado por pessoas que nos façam sentir mais leves, e o mais importante, que nos ame pelo que somos, é essencial para alcançarmos um patamar de serenidade só possível com interações dessa simplicidade.

novo

Gravada originalmente  na voz de Nando Reis, All star é sobre a relação de amizade de Nando e Cássia, cuja parceria musical contribuiu para o fortalecimento da amizade dos dois: “Fiz essa música sob o forte impacto do estreitamento de nossa amizade, durante o período que antecedeu ao convite que ela me fez para que trabalhássemos juntos” lembra o cantor em entrevista à folha de São Paulo.

novo2

Cássia Eller usava frequentemente um All Star azul, que ela carinhosamente chamava de tênis “baiaba”… Nando ganhara o dele ainda jovem; um presente de sua mãe, já que o músico vira o vocalista do Jethro Tull, Ian Anderson, no disco Living in the Past, com um All Star preto e de cano alto… O tênis que permanecera guardado por anos foi “desaposentado” por Nando Reis, que usou-o na frente da amiga: “E, assim, o tênis virou uma espécie de símbolo na nossa relação complementar. Foi a partir dessa metáfora que escrevi a música”. Relembra Nando.

No início do vídeo, Cássia fala sobre a origem da música

Cássia morava no décimo segundo andar, em Laranjeiras, bairro do Rio de Janeiro, onde Nando frequentemente a visitava: “Lá passávamos a madrugada conversando, tocando violão. Foi na esteira desses dias que ela me fez o convite para produzir seu disco”. Era o início de uma parceria musical que se estenderia muito além.

m

MÚSICA: See Emily Play

BANDA: Pink Floyd

MUSA: Emily Young

Syd Barrett era um músico à frente de seu tempo, suas ideias inovadoras contribuíram para o que mais tarde seria conhecido por rock psicodélico, expressão artística e gênero musical, cuja liberdade de criação era a “força motriz” para ilimitadas possibilidades em estúdio.

1960s-emily-young-syds-muse

Estando à frente do Pink Floyd, foi o responsável pelas principais ideias da banda, trazendo “conceitos” inovadores. Barrett era um guitarrista muito habilidoso e virtuoso… Foi um dos primeiros músicos a explorar totalmente as capacidades sonoras de distorção.

syd_barrett_by_kalispeira

Enquanto membro da banda, Syd Barrett compunha a maior parte das músicas do Pink Floyd. Dono de uma escrita única, suas canções são ladeadas por um certo mistério…  “See Emily Play” é de sua autoria: Música doce, “lunática” e inocente sobre uma jovem e jogadora Emily… Como compôs num período em que fazia uso constante de drogas, principalmente LSD, cujo excesso viria a comprometer sua saúde física e mental, não se sabia ao certo a veracidade sobre a origem da música… Numa entrevista dada para divulgar a canção, Barrett disse que “See Emily Play” nasceu após o uso do alucinógeno (enquanto repousava num belo jardim), vindo em seguida a adormecer… Uma menina lhe apareceu,  era Emily… Posteriormente ele desmentiu a história, dizendo que a tinha inventado para promover a canção.

De acordo com Saucerful of Secrets: The Pink Floyd Odyssey, primeira  biografia completa da banda, escrita por Nicholas Schaffner, a música foi inspirada em Emily Young, filha de Wayland Hilton Young, nobre inglês, cujas visitas ao clube UFO, local onde o Pink Floyd ia jogar, eram frequentes. Emily constantemente acompanhava o pai nessas visitas ao lugar; foi apelidada de “a estudante psicodélica”. Nos dias atuais Emily leva uma vida simples no Reino Unido, cujo trabalho como escultora é estimado. Indagada sobre a canção, ela diz: “É muito presunçoso para eu dizer… Mas sinto-me honrada, é uma canção maravilhosa. Não me encontrei com ele (Syd Barrett) muito bem.. Apenas o suficiente para dizer um “olá” ou pedir um “cigarro”.

cats

“See Emily Play”, abriu caminho para o sucesso do Pink Floyd, liderado pelo espirituoso e brilhante, Syd Barrett.

Photo-of-Syd-BARRETT-007

MÚSICA: SWEET CHILD O’ MINE

BANDA: GUNS N’ROSES

MUSA: ERIN EVERLY

 Chegar ao topo não é algo fácil. Por mais árduo que seja o caminho, e por mais preparado que o “combatente” esteja: Munido de coragem, esforço, talento, e tantos outros predicados possíveis de se caber numa “armadura”, no final das contas respirar o ar puro das alturas e sentir o gosto da vitória é para poucos… O Guns N’Roses, logo no disco de estreia, Appetite For Destruction (1987), mostrou a que veio: Hard Rock enérgico,  original e sem firulas…. 

erin1

…Sweet Child O’ Mine, primeiro grande sucesso da banda, surgiu ao acaso, sem pretensão de ser materializada, já que Slash dedilhava, o que mais tarde seria, a introdução de Sweet Child O’ Mine, juntamente com Duff Mckagan e Izzy Stradlin que tocavam os acordes por trás. Axl Rose, atento, ouvia tudo do outro cômodo da casa… E, ao mesmo tempo, compunha os versos de Sweet Child O’ Mine, inspirado em sua “Doce Criança”, Erin Everly. 

ERIN APARECE NO CLIPE DE SWEET CHILD O’ MINE

Extravagante como é, claro que Axl Rose não limitaria sua história de amor em apenas um ato… Sua “odisseia amorosa” seria contada numa trilogia de clipes: Don’t Cry, November Rain e Estranged. As letras das músicas foram inspiradas no conto “Without You”, escrito por Del James, amigo de Axl. O conto narra a história do roqueiro Mayne, personagem inspirado na vida de Axl Rose.

Erin-Everly-12

[…] “Para mim, o conto “Without you” ajudou a focalizar o que poderia acontecer em minha vida e, muitas vezes, o que aconteceu. Apesar de Del (amigo e autor do conto) ter se inspirado em situações pelas quais eu estava passando na época, esse foi o jeito que ele encontrou de me ajudar a admitir e enfrentar uma situação dolorosa. Isso, talvez, tenha me impedido de ir longe demais algumas vezes” [..] Desabafa Axl Rose

erin31

Axl, em entrevista (traduzida pelo site Whiplash.net), conta que no vídeo de Don’t Cry há cenas que foram baseadas no seu relacionamento real com Erin Everly: 

“No videoclipe de Don´t Cry há uma cena em que apareço brigando com a Stephanie (Seymour, namorada de Axl na época) portando uma arma. Isso aconteceu de verdade na vida real, comigo e Erin (Everly, ex-esposa de Axl). Eu ia me matar. Nós brigamos pela arma até que eu finalmente deixasse Erin pegá-la de mim. Antes de gravar, eu disse: “Isso parece bem difícil, pois realmente aconteceu. […] Fazer essa cena foi um processo bastante doloroso.”

O tumultuado relacionamento do casal serviu de lampejo criativo para o desenrolar da trilogia, cujas cenas são envoltas em mistério e metáforas, na qual os fãs criaram possíveis teorias que explicam as simbologias presentes nos clipes, como o golfinho presente em Estranged, por exemplo, que significaria o “renascimento espiritual” de Axl,  ou seja,  a superação dos obstáculos presente nos clipes anteriores.  

O conto de fadas dos pombinhos não durou muito… Devido aos excessos cometidos pelo músico, sua infidelidade constante e as turbulentas discussões, Erin e Axl se divorciaram após nove meses de união (Detalhe: Quando tinham apenas um mês de casados, Axl chegou a pedir divórcio de Erin, mas se arrependeu e voltou atrás).

erin21

Parafraseando o Burro (do Shrek): “Casamento de gente famosa não dura…”

Dragão e Burro 21

 PARA QUE O POST NÃO FICASSE EXTREMAMENTE LONGO, RESOLVEMOS DIVIDIR O TEXTO EM DUAS PARTES… EM BREVE MAIS MUSAS QUE INSPIRARAM GRANDES CANÇÕES DE ROCK PARTE 2

 

 

 

 

Facetas de Johnny Depp: Hollywood Vampires

Por Marcella Matos

Não é novidade para ninguém que o Multifacetado – ou diria multi-atarefado? – Johnny Depp é apreciador nato do velho e bom rock. Sua roda de amigos é composta por um time de primeira de astros do rock, e não é de se admirar que um dia todos se reunissem para formar uma banda: Hollywood Vampires.

blog

 Inicialmente o Hollywood Vampires era um clube de bebedeira, composto predominantemente de astros do rock que se reuniam em um bar de Los Angeles, o Rainbow Bar e Grill, com o intuito de beber (claro!) e trocar ideias… Como passavam longas horas da noite jogando conversa fora no recinto (na verdade só saíam de lá ao amanhecer!) apelidaram  o lugar de Lair of the Hollywood Vampires.

Placa do Clube

O fundador da confraria é ninguém menos que o pai do Shock Rock: Alice Cooper, que descreve o grupo: “Nós tínhamos uma espécie de clube, uma confraria de amigos que se encontravam para beber juntos. Todas as noites, e eu reitero, TODAS as noites nós acabávamos no Rainbow, famoso bar roqueiro de Los Angeles, bebendo até o sol nascer. Por isso acabaram nos chamando de vampiros. A única diferença era que bebíamos álcool, não sangue.”

tumblr_m70dpp4xZo1ram60uo1_500

O Clube era composto por personalidades como John Lennon, Keith Moon (The Who), Ringo Star, Micky Dolenz (The Monkees), Jimi Hendrix, Marc Bolan (T. Rex), Harry Nilsson (cantor e compositor) dentre outros…

page

Ringo, John, Keith, Marc, Micky e Jimi: Hollywood Vampires

Com o passar dos anos as reuniões foram crescendo e adquirindo novos membros: “Para se juntar ao clube, o candidato tinha que simplesmente oferecer um drink a todos os membros“, conta Alice Cooper. O Lair Of The Hollywood Vampires chegou a ter sedes ou filiais em outros países.

Hollywood-Vampiresa

Uma das reuniões do Hollywood Vampires

Entretanto, o Hollywood Vampires (clube) apenas se tornaria uma banda  40 anos após sua fundação: Joe Perry (Aerosmith), Duff Mckagan e Matt Sorum (Guns ´Roses) – ambos tocam com a banda ao vivo, entretanto não participaram da gravação do disco – completam a  formação do supergrupo de rock.

O disco de estreia da banda, “Hollywood Vampires” (2015), é composto por covers dos atuais e antigos integrantes do clube (Exceto a música Raise the Dead), e conta com a participação de grandes nomes. Foram reunidos em estúdio lendas como: Paul McCartney, Brian Johnson (AC/DC), Zak Starkey (Oasis e filho de Ringo Star), Slash, Dave Grohl (Foo Fighters), Joe Walsh (The Eagles), Robby Krieger (The Doors), Bob Ezrin (músico e produtor de clássicos como: The Wall (Pink Floyd), Destroyer (Kiss), School´s Out (Alice Cooper) e  Christopher Lee (ator e cantor já falecido, conhecido por interpretar Drácula no cinema. No disco, Lee narra um trecho do livro Drácula, de Bram Stoker).

hollywoodSobre o time que participa do disco, Alice resume: “Conseguimos um grupo de músicos bem impressionante, você viu?”

Johnny Depp e companhia se apresentaram no Rock in Rio (2015) para um público que  esperava ansiosamente vê-los tocar ao vivo; afinal de contas o Hollywood Vampires tinha se apresentado apenas em Los Angeles e para um público bem pequeno. Bem a vontade no palco mundo, Depp mostrou ser um guitarrista habilidoso,  se arriscando em alguns solos; A banda fez bonito para os presentes da noite,  apresentando um dos mais animados shows do festival.

hollywood-vampires

Depp tocando com Joe Perry no Rock in Rio 2015

tumblr_nv7tnpcGtI1s2kuhmo6_r1_540

Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura, e um dos convidados da noite, se surpreendeu com a performance do ator, ainda durante os ensaios: “Fiquei surpreso, ele toca bem. Parece que antes de ser ator ele tinha uma banda, e tem um grande conhecimento musical. Fora que é gente fina demais, falou com todo mundo, foi super simpático e ainda ficou imitando o Jack Sparrow para a minha filha, Guilia”, disse em entrevista a Folha de São Paulo. Andreas tocou “School Out” (Alice Cooper) e Another Brick in the Wall parte 2 (Pink Floyd).

hollywoodvampires1

Alice Copper não economiza elogios ao amigo de banda: “Ele é um excelente guitarrista! Era músico antes de ser ator, sabe tocar qualquer canção de rock. Outro dia fomos ao 100 Club, em Londres, e subimos ao palco. Lá, as pessoas berram os nomes das músicas e você tem que se virar e tocar. Johnny tirou de letra: alguém berrava “Brown sugar”, e ele começava a música. A banda ia atrás”. Conta o vocalista em entrevista ao jornal O Globo.

cfbca05c-61e2-11e5-_980952b

Este post não termina por aqui… O que fazia Johnny Depp antes de se tornar ator? Abordaremos minuciosamente este assunto nas próximas postagens. Aguardem.

hollywoodvampires

 

%d blogueiros gostam disto: